quarta-feira, 29 de abril de 2009

Compras sem compras

Ir ao shopping comprar umas roupinhas exige de mim muita paciência e vários dias antes preparando o psicológico.
Quando tomo coragem e entro no shopping já começa a aparecer os problemas, ou está cheio demais, ou está vazio demais.
Eu nunca entro em um shopping com quantidade normal de pessoas. Até aí tudo bem, começo minha jornada, olho algumas vitrines e me interesso por uma bela blusinha do manequim, vou logo procurando o preço, mas antes que eu consiga perceber a cor da camisa um velho rapaz chega cheio de gestos 'descolados' e um sorriso amarelo perguntando o que eu desejo...me controlo, o problema deve estar comigo -engulo a impaciência e a resposta sem educação que estava na ponta da língua - enfim, apenas respondo a velha de sempre 'tô só olhando', bom, eu até estava tentando olhar, se ele não tivesse me interrompido, mas o pior ainda estava por vir, ele disse: 'ok, fique a vontade'...
Não acredito em tamanha cara-de-pau, eu estava tentando ficar a vontade! Eu até queria ficar a vontade! E você pensa que depois de falar isso ele saiu dali? Está muito enganado! Ele continuou ali - bem ao meu lado - eu nem conseguia me mover sem encostar nele. Mas aquela blusinha era tão linda!
Eu respirei fundo...'é por você blusinha'... era só isso que eu pensava - como um mantra - e entrei na loja, depois de esbarrar no vendedor, claro! Afinal, ele estava BEM ao meu lado. Entrei, ufa! Ufa? Que nada!
Tinham mais cinco vendedores ali dentro! CINCO! E todos parados me observando, olhei novamente para a blusinha e novamente o meu pensamento foi interrompido por outro vendedor, ele já veio logo falando ' gatinha, essa blusinha é a sua cara!'.
Não! Não era a blusinha que eu estava olhando, era uma blusinha de bolinhas roxas, e ele disse que era a minha cara. Não pude deixar de me olhar no espelho depois disso, minha auto-estima desceu uns dois degraus, os outros degraus descidos foram quando eu decidi experimentar a blusinha da vitrine, a calça que a terceira vendedora me empurrou, a mini saia que era a minha cara também, a blusinha roxa, a blusa da moda ..., entre uma roupa e outra eu estava de roupas íntimas em frente a um espelho enorme, e uma luz que não me favoreceu.
Apareceu a celulite, aquelas estrias esquecidas, as gordurinhas escondidas no dia-a-dia... Saí de lá sem nada nas mãos e cheia de coisa na cabeça, acabei sentada na praça de alimentação comendo um delicioso mousse de chocolate - que não demorei a escolher - e caiu muito bem nas minhas celulites e gordurinhas localizadas.


Aline Alli

5 comentários:

  1. Todo mundo já passou por isso um dia. hahaha =D

    ResponderExcluir
  2. Não vou comentar porque eu sou desagradável! ops! kkkkkkkk

    ResponderExcluir
  3. Dayane ( amiga intrujona da Aline que esta invadindo aqui de novo kkkkkkk )quinta-feira, 30 de abril de 2009 22:57:00 BRT

    Ahhhh eu lembro da tarde no shopping que surgiu essa crônica =D ' o menino dos meus sonhos' kkkkkkkkkkk . Desagradável falar sobre isso. ;](Não me odeiem, já tenho muitos bonecos de 'vudú';])

    ResponderExcluir
  4. eu odeio comprar roupa/experimentar roupa! argh, muito desagradável!

    ResponderExcluir
  5. Eu achava que só eu detestava todo o sofrível processo de comprar roupas... Agora vejo que não sou a única. Vendedores? Bah! Eles são capazes de dizer que uma coisa listrada de lilás e laranja fica bem em alguém, só pra vender. K k k!

    ResponderExcluir

Seja agradável, comente!